sexta-feira, 7 de julho de 2017

Reflexões

Agora o que me passa
Já nem relaciona-se a você
Ou, um nós
Juntos
Considero valioso o tempo
De encontrar-se
Reavaliar-se
Tudo parecia tão conhecido
Que, de fato, não foi uma experiência
Nunca antes vivida
E já era previsto o desfecho
Das coisas que acontecem
Em movimentos ciclicos
Repetindo em nossas vidas
Roteiros conhecidos
E não adquiri o aprendizado necessário
E não quero mais
Desejo nova experiência
Mais verdadeira e mais recíproca.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Novos horizontes

Com alegria em meu corpo juntos
E música em meus ouvidos
Estrelas em meus olhos
Junto a paz do nosso amor
Mas, sinto o verdadeiro eco do deserto
Errante, não posso parar
Doce e feroz
Mulher
Rumo a nobres  ideais e horizontes
Mas, certa de você desejo lhe encontrar
Bem perto de você
Eu quero estar


segunda-feira, 12 de junho de 2017

Sublimação

Se é para encontrar-nos
façamos disso nossa entrega
quando nos chegam os medos
e os passos se tornam inseguros
tudo que necessitamos é de apoio mútuo
e reconhecer a nossa verdade
importa a mim o que vivemos
os gestos pequenos de cuidado
aquilo que não é mensurável
muitas palavras nos fragilizam
por temer a sua real existência
quero tentar deixar longe
o que não é do meu sentimento
essas opiniões toscas
que dessecam os sorrisos
e já diziam os sábios
aquele que emite opinião nada mais fala
que de si próprio
e não desejo sabotar a felicidade
mesmo que a felicidade possa matar o desejo
da antecipação de algo ainda em construção
quero manter-me tranquila
e o medo, poder entregá-lo ao Amor.

domingo, 4 de junho de 2017

Eu e você

É segredo do amor o desejo
Vibrante em cada sopro
Tremente sob as roupas
Encontrando o corpo
E nele querendo tornar-se navegante
Aroma de brisa dos cabelos
Escorrendo pelos ombros
Feito o vento, tal como o mar,
acaricia
O inebriante calor dos corpos unidos
Tomo fôlego exitante
Deste impulso quase irresistível
Quando percorres toda minha geografia
Beija os lábios úmidos a encharcar-se
E em ânsia e desejo olha os olhos
Suplicando pelo navegar
Abraça-te minhas pernas
E entoamos canções feitas nossas
Sem conseguir sair um do outro.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Fogo e Água











A lua brilhou, percorreu o céu 
junto aos astros
pela estrada feita das constelações
nas ruas vazias
sem ter porto, ou chegada
ela apenas canta um pouco mais
para crianças, flores, amantes e quintais
no meio do meu caminho
plantarei em minha casa
o calor que é sagrado
os contos da água e do fogo
amor, que invade
água, que corre
calor, que arde
e encoraja, amor

terça-feira, 16 de maio de 2017

Novelo





O instante é sempre um revelar-se. Mas que ideia errônea  temos do tempo...
Do passado, traçamos um fio que conduz a trajetória, de vivências e memórias, do que foi. É saudável colocar-se fora das situações, como uma terceira pessoa, que observa, sem imersão. Desidentificado. E ainda assim, assombra o mistério do acaso, sobre como as coisas acontecem. Por isso, o presente, este instante do agora, já é perdido. Se vai lentamente. É um novelo de linha que cai no chão, e um gato brinca com as pupilas abertas, a seu desenrolar, o fio vermelho. A vida que tecemos. É o instante. A linha desembolada. E o novelo ainda intacto. De belas formas é este desenho no chão, inda mais belas, quando transformadas, tiradas do aleatório das patas batendo no novelo, e docemente tomadas pelo polegar e indicador, a ponta do fio. Pelo querer humano, a lã é transformada, neste material generosamente natural, macio, e quente. E enfeita a vida, também transformada em belos bordados, pelas mãos sábias e seguras da liberdade. 

quarta-feira, 29 de março de 2017

Sopro de brisa

O outono mostrou-se pontual neste ano. O que particularmente devo agradecer, ao me ajudar nesta adaptação, após anos acima de altitudes médias de 1000 mts. O calor das pessoas, em contrapartida, me foi essencial, senti-me parte desta cidade que desde o nascimento, não julgara minha. Hoje digo, surpresa ao consentir, que estou feliz aqui.
Choveu muito no último final de semana, estive em casa, desfrutei de companhia. Há muito queria cozinhar. Daquele momento, além do paladar saboroso, uma expressão marcou, para mim, a lembrança do instante: escutar sobre a leveza daquele momento, o sentir-se bem.
Aparentemente tão triviais são os momentos... e tudo depende, mutualistamente, de dois pesos, de uma medida. A atribuição de valores nas coisas. Alguns instantes valorosos, ficam.